NOVA
Foi confirmado na última hora da noite desta quarta-feira, 19, que o acidente ocorrido durante a tarde, no KM 70 da BR-364, próximo ao distrito de São Lourenço, sentido Porto Velho, deixou quatro mortos, dois feridos e um desaparecido.
Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), foram envolvidos no acidente uma Scania de cor prata com dois semirreboques, um caminhão frigorífico, um caminhão prancha, que transportava mais dois caminhões, um caminhão carroceria, que transportava um trator e outro caminhão, que não foi identificado, devido ter sido totalmente danificado pelo fogo.
O acidente que deixou um cenário de guerra na BR e paralisou a via por horas, causou a morte do caminhoneiro Paulo Rodrigues da Silva, de 66 anos, que apesar de ter sido socorrido com vida, morreu a caminho do hospital e de mais três pessoas, que só poderão ser identificadas através de exames de DNA, devido terem tidos seus corpos carbonizados.
Além das mortes confirmadas, uma mulher identificada como Sirlene dos Santos Antônio, de 30 anos, e sua filha de 06 anos ficaram feridas e foram socorridas por uma Unidade de Resgate do Corpo de Bombeiros até o Hospital Regional de Vilhena, onde permanecem internadas, mas não correm risco de morte.
Sirlene, que afirmou ser moradora da cidade de Rondonópolis/MT, afirmou que em um dos caminhões seguia uma criança de dois anos, que não teve seu corpo localizado pela equipe de resgate.
Devido à gravidade do acidente, tudo leva a crer que o corpo da criança tenha se desintegrado em meio às chamas.
Os corpos das vítimas se encontram no necrotério da funerária São Mateus, onde amanhã serão submetidos à autópsia para identificação.
Equipes da PRF continuam no local sinalizando a via que foi liberada desde as 23h30.

Paulo Rodrigues da Silva, de 66 anos. Vítima fatal que morreu a caminho do hospital.
Uma das vitimas que teve o corpo carbonizado 

Fonte: Extra de Rondônia

CONFIRMADO: acidente na BR-364 deixa quatro mortos, dois feridos e um desaparecido

Saiba Mais


Um grave acidente de trânsito foi registrado no fim da tarde desta quarta - feira na altura do km 70 na BR - 364 proximo ao São Lourenço região de Vilhena.

Segundo as informações repassadas por um internauta ao nosso Portal dão conta de que cerca de 03 Caminhões se envolveram numa colisão seguida de explosão onde os veículos se incendiram. O corpo de bombeiros está no local controlando as chamas do incêndio. Não hà informaçoes sobre os ocupantes dos veiculos.

A BR 364 se encontra fechada em ambos sentidos sem previsão de liberação.

Em breve novas informações.

Da Redação Na Estrada RO


Caminhões pegam fogo em grave acidente na BR- 364 em Vilhena

Saiba Mais


Uma carreta bi-trem carregada de soja tombou na noite dessa terça feira (18), por volta das 23:30h no final da Av Marechal Rondon no st-01 e por pouco não invadiu uma residência. Segundo informações do morador da casa , ele estava em seu quarto quando pode ouvir que a carreta passava pela sua rua, subindo o Morro, porém a carreta não deu conta de subir e desceu de ré, perdendo o controle da mesma devido ao peso, o que fez com que a parte traseira do bitrem viesse a tombar batendo no beiral de uma residência que fica no final da rua.

O proprietário da residência disse que no momento em que a carreta bateu na casa, ele chegou a pensar que a casa estivesse caindo devido ao forte barulho e o tremor que fez na casa. E espera que o motorista arque com os danos causados pelo acidente.
Fonte: Jaru Online

JARU: carreta carregada com soja tomba e quase invade residência no perímetro urbano

Saiba Mais


Freddie Mercury na cauda de um avião. A homenagem é da companhia aérea norueguesa Norwegian, que anunciou que terá o cantor em sua lista de tributos a figuras icônicas, chamada de “heróis da cauda estilizada”. Serão duas aeronaves estilizadas com a imagem do cantor em sua cauda. A primeira delas ganhará os céus em setembro, mês em que o cantor completaria 71 anos de idade. A empresa justificou a homenagem por Freddie Mercury ter inspirado gerações de fãs da música ao redor do mundo.

Itaipu entrega 1º veículo elétrico abastecido com energia solar

A Itaipu Binacional entregou, no fim de junho, o primeiro veículo elétrico totalmente abastecido por energia solar. O Zoe elétrico, como é chamado, é autossuficiente em energia e dispõe de uma central fotovoltaica própria em sua sede, no centro de Cascavel (PR), que tem capacidade para gerar até 13 kW, em horários de pico. O carro será 100% abastecido pela central fotovoltaica. Os dados serão transmitidos em tempo real para a Itaipu, por meio do sistema do veículo, e serão aproveitados para a pesquisa do Programa VE. Abastecido, a autonomia do Zoe é de 170 km da cidade. Em dez anos de programa, os veículos elétricos da Itaipu rodaram mais de 836 mil km e evitaram a emissão de 87 toneladas de CO2. A economia gerada no período soma R$ 240 mil.

Novo supersônico

Uma aeronave voará à velocidade de 2.333 km/h (155 km/h mais rápido do que o antigo Concorde). Esse é o projeto SST (Supersonic Transport), que está sendo desenvolvido pela empresa norte-americana Boom Aerospace. A nova aeronave comercial poderá transportar até 40 passageiros e as primeiras estimativas apontam para viagens de 3,5 horas de Nova York a Londres, com custo em torno de US$ 5.000 por passageiro, semelhante a uma tarifa da classe executiva atual. A expectativa é que o primeiro protótipo comece a voar no final de 2017.

França quer fim da venda de carros a gasolina e diesel em 2040

O governo francês quer acabar com a comercialização de carros movidos a diesel e gasolina no país, em 2040. O anúncio feito em julho pelo ministro da Transição Ecológica introduz o “plano de clima” do governo e propõe uma meta árdua de se cumprir, especialmente para as montadoras. Vários países europeus já anunciaram planos para reduzir drasticamente o número de carros a gasolina e diesel nas estradas, dando preferência a híbridos e elétricos. Em 2020, a Alemanha quer que um milhão de carros elétricos circulem no país. Em 2016, os carros híbridos e elétricos foram responsáveis ​​por 3,6% dos carros novos registrados na Europa Ocidental.

Porto de Vitória é o primeiro do país a implantar o VTMIS

O porto de Vitória, no Espírito Santo, é o primeiro do Brasil a inserir o VTMIS (Sistema de Gerenciamento de Informações do Tráfego de Embarcações). O complexo portuário capixaba se torna o primeiro a implantar o controle de navios em todo o país. O projeto foi orçado em R$ 22,9 milhões e contempla a implantação do sistema, que contribui para melhorar a segurança marítima e aumenta a eficiência das operações portuárias. O sistema reúne, em uma única plataforma tecnológica, as informações procedentes de diferentes sistemas tanto das instalações portuárias como também de dentro das embarcações. Sensores, marégrafos, radares e câmeras de última geração fazem parte da estrutura. O sistema está integrado ao programa Porto Sem Papel (PSP) e, no mês que vem, a Marinha deverá homologá-lo.


Fonte
Agência CNT de Notícias
Foto: CNT 

Veja as novidades do mundo dos transportes

Saiba Mais


Adilson de Oliveira (PSDB), presidente da Câmara de Vereadores de Vilhena esteve reunido com o superintendente do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) da praça de Vilhena, Sergio Augusto Mamanny e também com representantes de empresas contratadas pelo órgão para realizar a recuperação de trechos da BR-364 tanto em Rondônia como no estado do Mato Grosso.
O presidente viu a necessidade da recuperação de trechos da BR-364 para a melhor trafegabilidade dos usuários e principalmente do setor de transportes.  Outro ponto abordado por Adlson junto a Dnit foram as péssimas condições do pátio do posto fiscal da Semfaz no lado do Mato Grosso.
“Todos os veículos de transportes que precisam parar no posto fiscal não conseguem um local adequado, e os conseguem tem que passar por buracos e valetas que acabam prejudicando os pneus e a suspensão”, salientou o presidente da Câmara.
REPAROS
Após uma reunião em loco com os superintendentes do Dnit de Vilhena e o de Cáceres, Ricardo Santos, além de representantes de empresas que realizam a manutenção das rodovias para o Dnit, ficou acertado que um serviço paliativo de patrolamento será iniciado nesta semana no local, e posteriormente dentro de 15 dias, o pátio receberá o serviço de fresamento, visando deixar o pátio mais resistente.
“Precisamos chamar a superintendência do Mato Grosso para verificar a situação, pois o Dnit de RO não poderia assumir esses reparos, mesmo sendo tão perto da cidade, mas é só uma questão de trazer o maquinário necessário, que está em Cáceres, até a divisa dos dois estados e logo o local estará muito melhor”, disse Sergio Mamanny, do Dnit de Vilhena.
O presidente da Câmara frisou que ainda será necessário o empenho de algumas cargas de cascalho no local para viabilizar o paliativo, “Vamos fazer uma parceria com empresas interessadas e até a prefeitura de Vilhena para conseguirmos melhorar a situação, e evitar acidentes e baixar custos também, já que alguns caminhões tem tido que estacionar às margens da rodovia para poderem deixarem notas fiscais no posto”, disse Adilson.
DICOM – Câmara de Vilhena

Presidente da Câmara apoia Dnit para manutenção de pátio na divisa entre Rondônia e Mato Grosso

Saiba Mais

05 Scania 

Com 2.276 caminhões vendidos, a marca do Grifo obteve 10,61% de participação de mercado até junho.
04 Volvo 

Com 11,07% de participação nas vendas, a Volvo, até junho de 2017, registrou 2.375 veículos vendidos.
03 Ford

Top 3 no ranking, a marca norte-americana comercializou 3.434 caminhões até o mês de junho, obtendo 16,00% de mercado

02 VW


Top 2 no ranking, segundo dados da Fenabrave, a MAN registrou 5.065 caminhões vendidos e 23,60% de participação.
01 Merercedes Benz

Líder dentre todas as marcas que vendem no Brasil, a Mercedes-Benz teve 6.621 emplacados nos seis primeiros meses do ano, obtendo participação de mercado de 30,85%.

As 05 marcas que mais venderam no primeiro semestre

Saiba Mais


O Jornal Nacional descobriu o que bandidos estão fazendo com as cargas roubadas nas estradas do Rio de Janeiro. Os repórteres Felipe Freire e Paulo Renato Soares passaram um mês investigando essa terra sem lei. Encontraram milhares de pessoas, todo dia, comprando e vendendo produtos roubados nos feirões do crime.
O movimento é de uma feira, mas é um mercado sem lei, a céu aberto e que não para de ganhar clientes. Em Acari, na Zona Norte da cidade. Mas também no bairro vizinho, a Pavuna, e em Duque de Caxias, na região metropolitana do Rio. Três lugares diferentes onde os consumidores chegam em busca de variedade e preço baixo. Saem, muitas vezes sem saber, envolvidos num crime grave.
Óleo de soja 40% mais barato do que no comércio legal; potinho de salame, 70%. Tem material de limpeza, queijo ralado, tem aparelho de ar-condicionado. Promoções imbatíveis, financiadas por criminosos que roubam cargas. Com o número do lote dos produtos, os fabricantes confirmaram quando os caminhões foram levados por bandidos. Pelas informações dá para saber que a carga de óleo de soja, por exemplo, foi roubada no dia 19 de junho a um quilômetro e meio de onde o produto era vendido logo depois.
Nos cinco primeiros meses de 2017, isso aconteceu mais de quatro mil vezes. São 27 roubos de carga por dia no estado do Rio. Os números vêm aumentando desde 2013.
Grupos de criminosos, que se escondem em favelas perto de rodovias e grandes vias expressas, se aproveitam da geografia e da falta de policiamento para atacar. À luz do dia assaltam, levam o caminhão e repassam a carga ainda dentro das comunidades.
Os motoristas, obrigados a ir com os bandidos, são testemunhas amedrontadas. “É horrível. A sensação é muito ruim. Muito ruim mesmo. A minha vontade é abandonar a profissão. E eu vou abandonar. Já é meu desejo há tempo e agora então que piorou”, disse um motorista que não quis se identificar.
As transportadoras dizem que o prejuízo é enorme e para todo mundo. “Você tem, inicialmente, o aumento do custo de transporte. Quando você aumenta o custo do transporte, seja pelo aumento do valor da escolta ou pelo aumento do prêmio do seguro, você acaba tendo que repassar isso para o cliente”, afirmou Eduardo Rebuzzi, presidente da Fetranscarga-RJ.
Os investigadores dizem que o roubo de carga não é mais uma atividade só de quadrilhas especializadas. Os traficantes de drogas passaram a se interessar por esse crime para poder financiar as armas que usam contra a polícia e outros criminosos na disputa por territórios. Se antes se sabia quem eram os principais interessados em comprar esses produtos roubados – os receptadores -, agora, cada vez mais pessoas fazem parte dessa rede criminosa.
Gente comum que compra dos traficantes para revender e fazer algum dinheiro. Gente que compra para levar para casa pensando só na economia. Os produtos estão expostos em barraca, em carrinhos de supermercado e até nos trens. Hoje tem feijoada de caixinha, sai por R$ 5, pelo menos R$ 10 a menos do que no supermercado. Só atenção: investigadores dizem que é roubada, e está fora da geladeira.
A delegacia que investiga os roubos e furtos de cargas diz que são envolvidos demais e repressão de menos. “Precisa ter mais gente também e mais recursos aplicados para combater esta modalidade. Mas a população do Rio de Janeiro que sofre com esta violência também precisa se conscientizar e evitar a compra de produtos roubados. Ao comprar um produto roubado, ela está fazendo parte desse mecanismo e está contribuindo para elevar o grau de violência na cidade”, disse Tiago Dorigo, delegado assistente da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas.
Nesses lugares, dizer que está dentro da lei é só uma brincadeira.
Comprar mercadoria roubada é crime de receptação, com pena de um a quatro anos de cadeia.
A empresa Supervia, responsável pelos trens urbanos, declarou que a venda de produtos roubados dentro dos vagões e nas estações é um problema de segurança pública.
As prefeituras do Rio de Janeiro e de Duque de Caxias também afirmaram que a repressão à venda de produtos roubados é responsabilidade das autoridades policiais.
Já a Polícia Militar alega que o comércio em feiras livres obedece a normas estabelecidas pelas prefeituras.

Roubo de cargas aumenta no Rio e abastece feirões do crime

Saiba Mais


Topo do site
YOUR ALT TEXT